INÍCIO > Articulistas > Outros autores: Educação

 
 
 
--últimos artigos sobre este tema----------------------------------------
Números traduzem pensamentos
Ronan Fernandes de Arruda
Magistério e estresse: uma dupla e tanto!
Marta R. Cabette
A importância dos jogos na aprendizagem matemática das crianças de 4 a 6 anos
Eliziane Rocha Castro
 
 

 

Magistério e estresse: uma dupla e tanto!

Maria Alzira da Cruz Colombo*

Quem já tomou um cafezinho na sala dos professores de uma escola, tem algum professor na família ou mesmo um amigo que trabalhe na profissão sabe que são comuns as queixas de enxaqueca, perda de apetite, dor no corpo, insônia e desânimo. Esses são alguns dos sintomas de estresse, mal que acomete um grande número de professores e pode levar a quadros mais graves de depressão e sentimento de culpa.

O estresse em pequenas doses pode ser benéfico, pois serve como estímulo para o trabalho. O problema é quando as atividades diárias deixam de ser agradáveis e o estado de irritação passa a ser constante, levando o organismo (não raro) à exaustão.

Profissionais que lidam com seres humanos tendem a ser mais estressados, segundo especialistas, e isso é pior no caso de professores. Eles enfrentam as pressões das crianças, dos pais, da instituição, de políticos e a própria auto-exigência.

Nos dias de hoje, os pais muitas vezes não conseguem impor limites a seus filhos e acabam delegando à escola a responsabilidade por toda a educação.

O educador tem de se preocupar não só com os aspectos pedagógicos, mas também ser pai, mãe, assistente social. Isso tudo, aliado à preocupação com o sucesso ou fracasso escolar de seus alunos, faz com que o profissional da educação se torne uma verdadeira “panela de pressão” prestes a explodir.

No exercício solitário do magistério (mesmo em um ambiente tão apinhado de gente como uma escola), o educador muitas vezes acaba isolando-se em sua sala de aula, carregando sozinho a responsabilidade pelos resultados.

Pode parecer um absurdo, mas, muitas vezes, os professores de uma escola passam dias sem ter oportunidade de conversarem com calma, trocarem idéias e se ajudarem. Esse é um problema grande dentro da escola que não disponibiliza um tempo para os professores interagirem. Há sempre o sinal de entrada, saída, reuniões para informes administrativos... E o professor vai levando.

Muitos passam a considerar a indisciplina dos alunos como uma provocação, sem se darem conta de que pode ser um sintoma de rejeição e insatisfação dos alunos com a escola e não algo pessoal.

A presença de competição entre os professores (pois é, ela também existe dentro da escola) faz com que muitas vezes aquele perfeccionista tire dinheiro do próprio bolso para comprar material e poder dar sua aula. O professor vai ficando cada vez mais isolado e solitário dentro de seu “mundo-sala”.

Seria ironia dizer que reduzam suas horas de trabalho, pois já não conseguem viver com o salário que possuem, mas é possível fazer algumas coisas para minimizar o problema.

Algumas dicas para diminuir o estresse:

• Em primeiro lugar, veja os colegas como possíveis aliados para conseguir tornar o cotidiano escolar mais agradável;

• Ria mais: o humor reduz o estresse e é a prova de que você aceita seus limites;

• Seja objetivo quando for corrigir provas ou trabalhos, não queira avaliar tudo ao mesmo tempo.

• Planejar e registrar o que pretende fazer no dia pode ajudar a diminuir a própria ansiedade e a dos alunos;

• Faça pequenas pausas durante o dia: dê uma volta, tome um copo de água, respire;

• Procure ver o lado bom da vida — ficar reclamando o tempo todo só desgasta e faz você se tornar um chato!

• Encontre um tempo, nem que seja 15 minutos diários, para caminhar, ouvir música ou só ficar quieto e relaxado.

Não é tão difícil assim. Paulo Freire, nosso maior pensador da educação, já dizia: “Ensinar exige saber escutar”.

Começar a escutar o próprio corpo talvez seja mais uma possibilidade para que o educador consiga melhorar a qualidade de ensino e, com certeza, ter mais qualidade de vida e saúde mental.

*****

*Marta Cabette é professora, alfabetizadora e psicóloga.
E-mail: cabette@aprendebrasil.com.br e
martacabette@uol.com.br

 

 
início
minha página
índice
home----------------------
Voltar à página inicial desta seção
os articulistas-------------
CELSO ANTUNES
LUCA RISCHBIETER
JOSEPH RAZOUK JR.
BETINA VON STAA
outros autores------------
Educação
Tecnologia e educação
Comportamento
Outros