INÍCIO > Ed. física
   início
 minha página
 índice
Calcule seu gasto energético
 
Home Educação Física
 
 Outros artigos




   A educação física e a integração disciplinar  

Atualmente, a segmentação do saber é considerada um dos maiores problemas educacionais. Os conteúdos são divididos por disciplinas, o que torna muito difícil para o educando relacionar os saberes, compreendendo-os como segmentos de um todo. Para resolver esse problema, tem-se investido em trabalhos conjugados que visam à integração entre os conteúdos específicos das diversas disciplinas.

A Educação Física, como disciplina regular dos Ensinos Fundamental e Médio, também pode contribuir com outras áreas em um processo multidisciplinar. Sugere-se, então, alguns temas de trabalho conjunto:

- História — pode-se trabalhar com a história da Educação Física e/ou dos Esportes. Utilizando-se encenações teatrais, a atividade torna-se mais motivadora e é possível aproximá-la da área de Artes.

- Geografia — pode-se localizar países, estados e cidades relacionados a eventos ou fatos esportivos. Por exemplo: encontrar no mapa a sede dos próximos Jogos Olímpicos, Atenas; pesquisar sobre a cidade de Madri, do time de futebol Real Madri, no qual jogam Ronaldinho e Roberto Carlos; ou, ainda, tentar descobrir por que a equipe do Flamengo (bairro) é chamada assim.

- Ciências — livros de Fisiologia do Esforço ou do Exercício são sempre uma boa alternativa para a seleção de temas nessa área. Por exemplo: a importância do consumo de água durante a atividade física; os efeitos do calor sobre o praticante de exercícios; por que a altitude influencia no rendimento físico.

- Filosofia — uma questão que está sendo muito discutida é a atual concepção do corpo. Assim, são bons assuntos para debater em sala de aula a estética, o padrão de beleza obsessivo (a influência da mídia e da alta-costura e as doenças relacionadas a esse padrão, como a anorexia e a bulimia) e a ética — por meio do tema doping. Há vários filósofos que discutem a preocupação com o corpo. Uma sugestão de leitura são as obras de Merleau-Ponty.

- Línguas Estrangeiras — uma estratégia para fazer convergirem essas disciplinas é comentar os esportes que são praticados nos países que falam determinado idioma. Na Língua Inglesa, por exemplo, pode-se trabalhar com os esportes americanos — como basquete, futebol americano e beisebol. Para a Língua Espanhola, pode-se falar sobre os grandes clubes espanhóis de futebol e até mesmo sobre a tourada — que também é considerada um tipo de esporte.

- Matemática e Geometria — os cálculos podem ser aprendidos usando-se e acompanhando-se a tabela do Campeonato Brasileiro, por exemplo, pois ela faz parte do cotidiano de várias crianças. Aprender as formas de pontuação de diferentes modalidades também pode ajudar no aprendizado de Matemática Básica. Na Geometria, angulações, áreas e volumes podem ser assimilados utilizando-se gravações de jogos e/ou das diferentes quadras das modalidades esportivas. No cálculo de volume, um bom referencial pode ser uma piscina ou pista de esqueite, por exemplo.

- Português e Literatura — abordar os termos usados nos esportes é uma forma interessante de enriquecer o vocabulário. Outro tema que chama a atenção é a influência do futebol no vocabulário brasileiro: “deu bola”, “pisou na bola”, “está com a bola toda” e por aí vai. São inúmeras as palavras que se originaram nos esportes e são usadas em outras situações sociais. Na Literatura, é sabido que muitos escritores de renome nacional dedicaram algumas linhas aos esportes — Olavo Bilac, Lima Barreto, Coelho Netto, Graciliano Ramos, Monteiro Lobato, Jorge Amado, Luís Fernando Veríssimo, Armando Nogueira, Oswald de Andrade, Gilberto Freyre, Carlos Drummond de Andrade, Nelson Rodrigues, entre outros. Então, que tal trabalhar com textos que tenham como tema os esportes?

A quantidade de assuntos é imensurável. Aqui, foram apresentados apenas alguns exemplos. Nesse contexto, o mais importante é a criatividade do educador para buscar novos temas e formar alunos mais integrados por meio desse conhecimento ampliado e, conseqüentemente, mais preparados para o “vir a ser no mundo”.

Nossos agradecimentos ao professor Ricardo Laus Simas, que sugeriu o tema deste artigo.