INÍCIO  >  Especiais   >   Drogas
Glossário: efeitos e conseqüências do uso das drogas
 
 
 

Álcool

Considerado uma droga psicotrópica, o álcool é consumido em bebidas comercializadas legalmente e é a substância entorpecente mais utilizada em todo o país. Ele provoca sensações de relaxamento e euforia, diminui a inibição e compromete a coordenação motora e a capacidade de julgamento. As mulheres costumam ficar embriagadas mais rapidamente porque o álcool é metabolizado por elas de forma mais fácil. O consumo contínuo de álcool traz conseqüências graves, como doenças em todos os órgãos do corpo humano, especialmente o estômago, o fígado, o coração e o cérebro. O álcool está intimamente ligado ao aparecimento de cirrose, gastrite, polineurite, anemia, pelagra e úlceras cutâneas. A overdose alcoólica produz dificuldade respiratória, perda de temperatura e de pulsação, palidez, coma e pode levar à morte. Além disso, o abuso de álcool está relacionado a muitos acidentes graves no trânsito.

Cocaína

A cocaína é um estimulante sintetizado em laboratório, e sua matéria-prima é a folha do arbusto Erytroxylon coca. Ela age na comunicação entre os neurônios, prolongando a ação de outra substância, a dopamina. A cocaína pode ser consumida de várias maneiras, mas a mais comum é aspirando-a, já que normalmente ela se apresenta sob forma de pó. Essa droga produz sensação de prazer e intenso aumento de energia e de autoconfiança. O efeito dura de 20 a 30 minutos e é seguido de irritabilidade, cansaço e depressão. O uso em altas doses pode provocar alucinações, extrema agitação, paranóia e agressividade. A quinina, uma substância que pode estar misturada à cocaína, pode levar à cegueira irreversível. Mesmo o uso moderado dessa droga é perigoso devido ao alto risco de falência do coração que ela oferece. Infecções sangüínea, pulmonar e coronária também estão na lista de conseqüências do uso contínuo da cocaína.

Crack

O crack tem o aspecto de uma pequena pedra de sabão cristalina e é processado por meio do aquecimento do pó da cocaína juntamente com amônia, bicarbonato de sódio e água. Normalmente, o usuário fuma essa droga em pequenos cachimbos de metal ou vidro, mas ela também pode ser derretida e injetada. O crack tem alto poder de viciar. Ele produz “viagens” muito intensas e rápidas, de aproximadamente dez minutos, que são seguidas de depressão profunda. Por causa da rapidez de seu efeito, o usuário consome novas doses para voltar a sentir euforia e sair do estado depressivo. O uso constante dessa droga provoca agressividade, comportamento paranóico, depressão, alucinações e, em pouco tempo, pode causar parada cardíaca e morte.

Ecstasy

Conhecido como “droga do amor”, o ecstasy tem como princípio ativo o metilenodioxidometaanfetamina (MDMA), uma droga sintética ilegal que atua tanto como estimulante quanto como alucinógeno e é distribuída em pílulas. Por agir no cérebro aumentando as concentrações de dopamina — que alivia as dores — e serotonina — que está ligada à sensação de humor —, o “E”, como também é conhecido, provoca euforia, aumento de energia, empatia, aumento da sensibilidade tátil e distorções sensoriais de tempo e espaço. Os efeitos dessa droga são sentidos entre 30 minutos e 1 hora após o uso e podem durar de quatro a seis horas. Os efeitos colaterais incluem espasmo do maxilar, náuseas, cólicas, visão embaçada, paranóia, depressão e reações musculares, como câimbras. O maior perigo dessa droga é o aumento da temperatura do corpo, que causa febre alta e desidratação, o que pode resultar em ataque cardíaco e falência do fígado e dos rins.

Esteróides anabolizantes

Esteróides anabolizantes são hormônios, encontrados em tabletes ou na forma de líquido, que geralmente são utilizados por atletas para aumentar a massa muscular, a força ou a resistência. Depois de apenas algumas semanas de uso contínuo, os usuários podem sentir euforia e aumento de energia e se tornar agressivos e mais competitivos. Os esteróides causam sérias modificações nas funções corporais, produzindo efeitos perigosos, que incluem aumento da pressão arterial, doenças no coração, tumores no fígado e ataque cardíaco. Os homens podem ficar impotentes, sofrer diminuição dos testículos e queda de cabelo e até desenvolver seios. As mulheres podem ter crescimento de barba, mudanças na voz e alterações no ciclo menstrual. Os usuários que param de tomar esteróides depois de muito tempo de uso também podem sofrer de depressão, insônia e fadiga.

Flunitrazepan ou Rohypnol

O Flunitrazepan ou Rohypnol é um sedativo utilizado no tratamento de distúrbios do sono. Ele não possui gosto ou odor quando é diluído em algum líquido. Essa droga causa sonolência e sensação de “bebedeira”, que podem durar até oito horas. Outros efeitos são falta de memória, náuseas, pesadelos e dificuldade para falar. Por isso, ela é conhecida nos EUA e na Grã-bretanha como date rape drug, ou “droga do estupro”. Como o Rohypnol causa dificuldades de respiração, o uso pode ser fatal, especialmente se ele for misturado ao álcool.

GHB

Conhecido como ecstasy líquido, o GHB é sedativo e esteróide anabolizante. Ele foi criado como anestésico para uso hospitalar nos anos 60. Vinte anos depois, essa substância voltou a ser consumida como um anabolizante ilegal, graças a seu poder de aumentar os músculos e proporcionar a queima de gordura. Normalmente, o GHB é encontrado como pó ou já misturado à água e não tem cheiro e quase nenhum gosto (sendo também é conhecida como “droga do estupro”). Em baixas doses, provoca relaxamento, mas também interfere na fala e na coordenação motora. Em altas doses, causa náuseas e vômitos. O GHB induz ao sono e, em combinação com outras drogas, principalmente o álcool, pode resultar em coma ou morte.

Heroína

A heroína é uma variação da morfina, que, por sua vez, é uma variação do ópio, que é obtido de uma planta chamada papoula. Além de ser extremamente nociva ao organismo, a heroína causa rápida dependência química e psíquica. Ela age como um poderoso depressivo do sistema nervoso central. Pode ser inalada ou fumada, mas normalmente é injetada, provocando “viagens” que podem durar horas, dependendo da dose que é utilizada. O usuário fica sedado, mal pode falar e fica com a boca seca e as pupilas muito contraídas. Em combinação com outros depressivos, como o álcool, o risco de overdose aumenta muito. O uso constante dessa droga resulta em abscessos na pele, infecções no coração, doenças no fígado, surdez, cegueira, delírios, inflamação das válvulas cardíacas, coma e até morte. Se for consumida por meio injetável, pode causar necrose (morte dos tecidos) das veias. O organismo fica desregulado e deixa de produzir substâncias vitais como a endorfina ou passa a produzir outras substâncias em demasia, como a noradrenalina, que, em excesso, acelera os batimentos cardíacos e a respiração. O corpo perde também a capacidade de controlar a temperatura, e o usuário passa a sentir calafrios constantes. O estômago e o intestino ficam completamente descontrolados, o que causa vômitos freqüentes, diarréias e fortes dores abdominais.

Inalantes

As drogas conhecidas como inalantes são normalmente produtos de limpeza ou de trabalho, como cola e removedor de tintas. O usuário tem a sensação de estar estimulado, com a cabeça mais leve e desorientado. Até mesmo o uso ocasional pode causar severo dano ao sistema nervoso e ao cérebro e resultar em morte, além de comprometer o sistema respiratório.

Ketamina ou “special k”

A ketamina é um anestésico utilizado principalmente em cirurgias de animais, especialmente cavalos. Vendido na forma líquida, ele passa por uma transformação, transformando-se em pó, e recebe o nome de “special k”. Normalmente, essa droga é inalada ou fumada com maconha ou tabaco, mas também pode ser misturada a outras, como o ecstasy ou a cocaína. Produz alucinações e perda da noção de tempo e espaço e da identidade. Quando é utilizada em grandes doses, resulta em delírios, problemas respiratórios e convulsões. Se for misturada a álcool ou cocaína, pode ser fatal.

LSD

LSD é uma abreviatura de dietilamina do ácido lisérgico. O princípio ativo da droga é o MDMA, o mesmo do ecstasy. O LSD é um alucinógeno consumido normalmente dissolvido em pedaços de papel muito pequenos, chamados de “pontos”, e pode ser encontrado até mesmo em cápsulas. Os efeitos alucinógenos da droga costumam ocorrer nos primeiros 30 minutos após o uso, e apenas 0,05 mg pode causar até 12 horas de alucinações. Essa droga provoca euforia, distorções visuais e sensitivas, desorientação, náuseas e tremedeiras. A pessoa que está sob seu efeito tem a sensação de alteração nas formas, aromas e cores, cria ilusões e delírios e pode sentir mania de grandeza ou perseguição. Altas doses podem causar o que os usuários chamam de “bad trip” (viagem ruim), o que envolve extrema ansiedade e paranóia. Alguns usuários podem sofrer de “flashbacks” — quando os efeitos da droga são sentidos semanas ou até mesmo anos depois de seu uso.

Maconha

A maconha é uma erva cujo nome científico é Cannabis sativa. Dependendo das condições em que foi cultivada, ela pode sintetizar uma porcentagem maior ou menor de THC ou tetrahidrocanabinol, que é a principal substância responsável por seus efeitos no organismo. Essa droga pode ser ingerida juntamente com alimentos ou bebida em forma de chá, mas a principal forma de consumo é o fumo. Os efeitos da maconha dependem muito da quantidade que é utilizada. Normalmente, os usuários costumam se sentir relaxados, felizes, com fome e letárgicos. Ela também compromete a coordenação motora e a memória. O uso contínuo, assim como o do tabaco, compromete o pulmão. A contínua exposição à fumaça tóxica da droga ocasiona ao sistema respiratório problemas como bronquite e diminuição da capacidade respiratória. Além disso, a quantidade considerável de alcatrão presente na fumaça de maconha expõe os usuários da droga ao desenvolvimento de câncer de pulmão.

Ritalina

A ritalina é uma droga utilizada no tratamento de crianças e adolescentes que apresentam transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Trata-se de um estimulante que pode melhorar a concentração, além de ser um supressor do apetite. A ritalina é esmagada e pode ser inalada, dissolvida em água ou aquecida e injetada na corrente sangüínea. Em altas doses, pode viciar. Essa droga pode causar tonturas e desmaios. Alguns estudos mostram que a ritalina produz no cérebro efeitos parecidos com os da cocaína.

Tabaco

As folhas de tabaco são quimicamente processadas para serem consumidas como fumo ou para se mascar. Em alguns usuários, produz efeito de relaxante. A nicotina, principal substância do tabaco, é uma substância com alto poder de viciar e prejudica a digestão, causa o aumento dos batimentos cardíacos, da pressão arterial e da freqüência respiratória e provoca tremores, insônia, náusea, diarréia, vômitos, cefaléia, tontura, fraqueza, dor no peito e sérios danos ao sistema respiratório — pode ocasionar doenças como pneumonia, enfisema pulmonar e infecção das vias respiratórias. O tabaco apresenta ainda várias substâncias que podem causar câncer em diversas partes do corpo — como boca, esôfago, laringe, pulmão, rins, pâncreas e bexiga. A fumaça do cigarro pode contribuir para o surgimento de câncer e doenças respiratórias até mesmo em pessoas que não fumam, mas convivem com fumantes. A maioria dos fumantes começa a fumar durante a adolescência. Além da nicotina, o cigarro contém um grande número de substâncias tóxicas, como o alcatrão e o monóxido de carbono.

Tranqüilizantes

Os tranqüilizantes são drogas comercializadas legalmente para o tratamento de ansiedade e espasmos musculares e para provocar o sono, mas também são utilizados para produzir “viagens”. Os efeitos imediatos são sonolência, relaxamento e sensação de calma. Essas substâncias causam acentuada dependência física, e os usuários desenvolvem um nível elevado de tolerância. O uso crônico pode ocasionar intoxicação e, como conseqüência disso, graves efeitos colaterais, entre eles, sinais de falta de coordenação motora, início de estado de inconsciência, dificuldade de movimento, sono pesado e queda da pressão sangüínea. Os efeitos tóxicos dos tranqüilizantes ficam mais intensos quando eles são utilizados associados com álcool ou outras drogas depressoras do sistema nervoso central, pois podem levar à morte. Barbitúricos, Valium e Xanax são alguns exemplos de drogas tranqüilizantes.

 

O poder das drogas

 

<<anterior  

 


 

 


   



   início
 minha página
 índice
números e tentativas
o barato sintético
entrevista: Paulo Knapp
glossário
voltar ao especial