Atualidades > Notícias Educacionais > Notícias do Dia
20/07/2012 - Projeto leva arte para educação infantil no Nordeste

Um projeto para a educação infantil está mudando a cara desta etapa em escolas municipais de cinco cidades do Nordeste brasileiro: Campina Grande (PB), Caucaia (CE), Feira de Santana (BA), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Teresina (PI). Com ênfase em formação de coordenadores e material didático específico, o Paralapracá, desenvolvido pelo Instituto C&A, propõe colocar 18 mil crianças de 125 instituições em contato com diferentes linguagens: arte, literatura, música e o brincar.

“A educação infantil tem uma identidade própria, e é diferente do ensino fundamental. Ela deve apresentar tudo o que as crianças precisam para se desenvolver e viver uma infância que promova um processo de desenvolvimento integral”, afirma Mônica Sâmia, coordenadora técnica do projeto e palestrante do 28º Simpósio da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (Omep), que acontece até sábado (21), na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande.

A partir de oficinas de formação de coordenadores, o Paralapracá oferece ferramentas para que as equipes escolares desenvolvam projetos para a educação infantil. As escolas recebem kits com vídeos, cadernos de atividades, livros técnicos e de arte, com imagens de referência, e CDs.

“A escola deve suprir a falta de repertório cultural que muitas dessas crianças têm, mas também deve reconhecer quais são as culturas nas quais elas crianças estão inseridas, que são muito importantes para a formação da identidade”, aponta Mônica.

Assim, além dos clássicos, entram na sala de aula contos e lendas do repertório local, literatura de cordel, músicas regionais, contações de história, brincadeiras tradicionais e bonecos de pano. O resultado, segundo professores e coordenadores, tem sido crianças mais autônomas e mais felizes.

“Arte e música foram eixos que mais mobilizaram os professores, porque eles não têm essa formação na faculdade. A criança precisa de referências, precisa conhecer as possibilidades dos materiais. Se elas são bem orientadas, produziam trabalhos muito ricos”, destaca Mônica.

De acordo com a coordenadora técnica do projeto, as redes municipais de Caucaia e Jaboatão dos Guararapes estão replicando a ideia em escolas da rede que não são contempladas pelo Paralapracá. “Tanto a formação de educadores, quanto os materiais didáticos de boa qualidade são demandas igualmente importantes da educação infantil. Avançamos nos dois aspectos, nos últimos quatro anos, mas ainda existe um atraso muito grande”, opina Mônica.

Clique aqui e acesse a publicação original da notícia

Fonte: Ig Educação
 

Ano: 
Mês: 

Período:
(dd/mm/aaaa)
De:
Até:

Palavra-Chave: