Por Ederson Santos Lima
02/06/2008

Foto: National Arquives (127-N-515039)  
Marines enfrentando chineses na Revolta dos Boxers, em 1900. Cópia da pintura de Sergeant John Clymer.

No início do século XIX (1801-1900), a dinastia Manchu, que controlava o Império Chinês desde o século XVII, estava atenta aos interesses dos ocidentais na riqueza da China, razão pela qual fechou suas portas ao comércio exterior. A única exceção a essa regra foi a manutenção das relações comerciais com o porto de Cantão, o que, no entanto, não foi suficiente para as chamadas potências imperialistas do século XIX (Inglaterra, Estados Unidos, França, Rússia e Japão), que desejavam ter mais portos livres, mais consumidores chineses e, conseqüentemente, mais lucros.

Para obter esse espaço, os ingleses não demoraram a contrabandear grandes quantidades de ópio para o território chinês, provocando a reação do Império, que tentava impedir a propagação desse entorpecente. Em 1839, o governo chinês apreendeu um carregamento inglês de ópio, o que fez do combate entre ingleses e chineses apenas uma questão de tempo. Foram os ingleses que declararam guerra, dando início à chamada Guerra do Ópio, na qual a China foi derrotada em 1842. Com a derrota, os chineses foram obrigados a assinar o Tratado de Nanquim, que estabelecia a abertura dos portos aos ingleses e a entrega de Hong Kong, dando início à dominação ocidental do gigantesco Império.

As investidas de países ocidentais ao Oriente não pararam por aí. Japão e Rússia também foram alvo de ataques.

Em 1860, franceses e ingleses invadiram a capital chinesa, Pequim, com o apoio de norte-americanos e russos, e obrigaram os orgulhosos chineses a aumentar as vantagens concedidas a países estrangeiros: aceitar a instalação de embaixadas e a ação de missionários cristãos.

Em 1900, a China tentou resistir por meio da ação de um grupo de nacionalistas radicais, que se esforçou para reduzir a dominação estrangeira sobre o país. Chamados de boxers pelos ingleses, os integrantes desse grupo conseguiram provocar certo medo nos estrangeiros, mas isso não evitou a exploração sofrida pelo Império, que se prolongou até a ascensão dos comunistas em 1949.

  | próximo
   
Fase de dominação imperialista
1949: A revolução socialista de Mao Tsé-tung
Anos 70: a muralha chinesa começa a se abrir
A China com um pé no capitalismo