"Há trabalhos que beneficiam crianças e há trabalhos que trazem benefícios apenas aos empregadores. O objetivo de empregar crianças não é treiná-las, mas tirar altos lucros de seu trabalho." Lewis Hine

Lewis Hine era professor em Nova Iorque. Indignado com o trabalho infantil, deixou giz e quadro-negro de lado. Virou detetive. Ele trocou a cidade grande pelo interior do país para fotografar crianças nas piores condições de trabalho.

Lewis Hine era uma tremenda raposa. Ele sabia como ninguém usar de subterfúgios para entrar nas fábricas onde sua câmera não era bem-vinda. Sua tática era simples: primeiro, arrumava uma desculpa para entrevistar as crianças. O truque seguinte era esconder, em um dos bolsos, a mão e um bloquinho e tomar nota de tudo. Em suas fotos, ao contrário, não admitia artifício ou trapaça alguma. Eram nuas e cruas.

Lewis Hine é tido como um dos mestres da fotografia americana. O reconhecimento veio tarde. Ele morreu na pobreza, esquecido por todos, como tantas crianças de quem fez o retrato. Essas são quatro fotos de sua célebre série de 484 imagens batidas entre 1908 e 1912.

Saiba por que, em 1910, 2 milhões de crianças norte-americanas trabalhavam em fábricas!