1. Central de Atualidades
  2. Reportagens
  3. A fantástica fábrica de campeões
 
Brasil, exemplo de fair play

Nessa história, o Brasil tem do que se orgulhar. O país pode até não ganhar muitas medalhas em Jogos Olímpicos, mas nunca teve um atleta cujo teste deu positivo para doping, nem mesmo nos Jogos Pan-Americanos. Esses jogos, realizados sempre um ano antes das Olimpíadas, costumam servir para alguns atletas testarem novas tecnologias de doping. Em Caracas, em 1983, a testosterona foi detectada pela primeira vez. Em Indianápolis, em 1987, o probenecida foi usado para evitar a detecção de anabólicos-esteróides.

Lorenzo Sampaolo - International Association of Athltics Federations (IAAF)
Maurren Maggi: doping acidental tirou a atleta do Pan-Americano e das Olimpíadas.

O Dr. De Rose explica que o COB faz controles de rotina não só em quem vai para as Olimpíadas, mas principalmente no atleta que vai disputar o Pan-Americano. “Atribuo o fato de não termos atletas dopados a várias razões. A primeira e mais importante é que os médicos do COB são muito bons, sendo capazes de detectar e evitar qualquer problema nessa área. Em segundo lugar está o fato de fazermos um controle prévio dos nossos atletas, o que nos permite eliminar os que utilizam doping antes que eles cheguem a uma Olimpíada ou ao Pan. Resolvemos os problemas aqui, sabendo que os que vão para os Jogos não se dopam. Em terceiro, o COB, além do exame, realiza um programa de educação antidoping em que o atleta pode esclarecer suas dúvidas. Por todos esses fatores, acredito que o Brasil dificilmente vá ter um atleta cujo resultado do exame antidoping dê positivo em Pan-Americanos ou Olimpíadas”.

Mesmo assim, recentemente uma das mais destacadas atletas brasileiras com chance de receber medalhas no Pan-Americano de Santo Domingo e em Atenas, a saltadora Maurren Maggi, foi pega num exame antidoping antes do Pan. Ela inadvertidamente usou uma pomada com uma substância proibida e ficou de fora dessa competição. Absolvida, ela desistiu dos treinos e não vai para Atenas. Para o médico do COB, hoje o atleta deve sempre se preocupar com o que está usando, mesmo que seja um medicamento receitado por um médico, justificando a severidade das penas e do controle antidoping. “O que aconteceu com Maggi foi um acidente lamentável que nos custou uma medalha de ouro, porque ficamos empatados no Pan-Americano, em terceiro lugar, com o Canadá. Se ela tivesse competido, provavelmente teríamos conquistado o terceiro lugar sozinhos”, lamenta.

« anterior
Introdução
Criando Recordistas
O que é o doping?
O doping genético
Brasil, exemplo de fair play
   
Notícia Comentada: Dirigentes contra o doping
Cartilha de orientação aos atletas sobre o uso de medicamentos no esporte do COB