voltar outras reportagens     

Invenções Brasileiras

Até 2001, uma exposição vai percorrer museus de ciências de todo o país. A mostra 500 Anos da Inventiva no Brasil é uma ótima chance de conhecer o que saiu da cuca dos mais geniais brasileiros. Dos índios aos cientistas de hoje, dá para repensar nossa história sob a ótica de um dos motores do progresso de qualquer país: a ciência.

Em uma famosa crônica, publicada em A Semana, Machado de Assis chama a atenção, em 1897, para um fato verdadeiro até hoje. Lembramos das invenções, esquecemos de seus inventores. O escritor admira-se que o Jornal do Commercio comemore um "dia histórico da chapelaria humana", o centenário da cartola, sem sequer mencionar seu criador. Surgido em Londres, em 15 de janeiro de 1797, o chapéu alto resistiu um século como símbolo de elegância e refinamento.

"Direis que a concepção de um chapeleiro no ventre de sua mãe é, em absoluto, mais interessante que a fabricação de um chapéo; mas, hypothese haverá em que a fabricação de algum chapéo seja mais interessante que a concepção do chapeleiro. Este não passará de uma geração apenas; aquele será novo e ficará para muitas gerações. Com efeito, lá vae um século, e ainda não acabou o chapéo alto", escreve o mestre.

A exposição 500 Anos de Inventiva no Brasil corrige essa injustiça. Ela lembra dos artefatos que facilitam - e às vezes salvam - nossas vidas, sem deixar cair no esquecimento seus mentores. Desde a primeira patente, concedida por D. Pedro I em julho de 1822, as invenções são registradas e passam a ter nome e sobrenome. A primeira patente brasileira coube à máquina de descascar café. Inventada por Luiz Louvain e Simão Clothe, descascava os grãos, sem quebrá-los, e era movida a tração animal ou a água.

A mostra também ressalta a importância das patentes para a proteção dos inventos e de seus autores. Você sabia que brasileiros criaram protótipos do rádio e da máquina de escrever antes dos que foram consagrados no mundo todo? A exposição também não se esquece dos inventos de autores anônimos - as criações da cultura popular -, de negros e índios. Ela reabilita a importância desses povos ao vê-los como inventores, em vez de taxar suas criações como mero artesanato.

Enquanto a exposição segue adiante com algumas invenções recentes de nossos cientistas, nossa reportagem termina com a invenção brasileira de todos os tempos: o avião. Trouxemos o brasileiro voador em dois vídeos com imagens das aeronaves de Santos-Dumont, no início do século.

A exposição 500 Anos de Inventiva no Brasil está aberta à visitação até 30 de novembro na Estação Ciência da USP. De lá ela segue para a Casa de Ciência da UFRJ e assim peregrinará até o final de 2001, contando a saga das invenções brasileiras até os dias de hoje.

 



leia mais  
ENTREVISTA

Suely Avelar,
curadora
da mostra
INVENÇÕES
BRASILEIRAS

Os descobridores
Os índios
Os negros
Brasil colônia
A virada
do século XX
A briga
por patentes
O brasileiro
voador