texto

Um giro que determina a nossa rotina


Por: Julio Cezar Winkler

Vivemos uma rotina determinada por eventos naturais, todos os dias levantamos pela manhã, realizamos as nossas atividades enquanto o sol parece deslocar-se pelo céu. Por volta do meio dia o sol atinge o ponto mais elevado da abóboda celeste, determinando a hora do almoço. No período da tarde continuamos as nossas atividades, enquanto o sol parece seguir para o oeste, onde irá se esconder abaixo do horizonte, iniciando o período escuro do dia, que chamamos noite. Jantamos, fazemos nossa higiene e vamos para a cama, descansar e aguardar a chegada de um novo dia.

É assim desde que a humanidade fez a sua estréia no planeta, seguimos esse ritmo natural derivados de movimentos que se originaram antes mesmo do Sistema Solar.

A sucessão dos dias é definida por um importante movimento que o nosso planeta realiza, a rotação, giro ao redor do seu eixo e que tem a duração de 23 horas 56 minutos e 4 segundos, um pouco menos que o dia solar, que dura em média 24 horas, dependendo da época do ano e da latitude do observador.

Dia sideral tem a duração de 23 horas e 56 minutos e 4 segundos, sendo definido pelo intervalo de tempo entre a passagem de uma estrela distante pelo mesmo meridiano terrestre, ou seja, é o tempo gasto para a Terra realizar uma volta completa ao redor do próprio eixo.

O dia solar é um pouco mais logo que o dia sideral, pois é definido pela passagem do sol por um mesmo meridiano, como a Terra realiza o movimento de translação, volta ao redor do sol, demora um pouco mais para o sol atingir o mesmo ponto.

No esquema abaixo podemos perceber essa diferença, observe que na posição 1 o observador tem o sol a pino, já na posição dois, apensar de completo o movimento de rotação, o sol ainda não está a pino para o observador localizando no mesmo ponto da posição 1, o que só vai ocorrer pouco depois, quando a Terra está na posição 3.