1. Central de Atualidades
  2. Reportagens
  3. Planeta em perigo
Apenas “fazer a sua parte” não é o bastante

As geleiras estão derretendo, a Mata Atlântica está acabando, há centenas de espécies em risco de extinção, outras já eram, as cidades estão “explodindo” de gente... Mas, puxa, o que é que você pode fazer? Será que vai adiantar?

Para Daniella Padula, diretora do Projeto de Mudanças Climáticas do Conselho Britânico, órgão de relações exteriores do Reino Unido, esse pensamento é muito influenciado pelo fato de que os meios de comunicação costumam apresentar os desastres ambientais como algo tão catastrófico, tão gigantesco, que parece estar fora do alcance das nossas ações. “Não podemos minimizar o problema, mas podemos trazer ele para mais perto de nós.”

O que Daniella quer dizer é que não é preciso ir muito longe para começar a ajudar o meio ambiente. Sim, estamos falando daquelas pequenas ações, como gastar o mínimo possível de água, desligar a luz e os eletrodomésticos quando não estiverem sendo usados, oferecer carona a colegas de escola ou trabalho quando você usa o carro sozinho, separar o lixo corretamente, não desperdiçar comida, etc.

Isso tudo é, sim, muito importante. Você não está apenas fazendo a sua parte: está se tornando um cidadão preparado para as exigências da vida no futuro. Mas não é tudo. “Hoje, não existe isso de ‘fazer a sua parte’. Isso é o mínimo que alguém pode fazer”, alerta Diogo Damasceno Filho, coordenador da Rejuma — Rede de Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade —, organização que reúne pessoas de 15 a 19 anos de todo o Brasil envolvidas em estudos e ações ambientais. “É preciso sensibilizar outras pessoas. Não posso fazer a minha parte e ignorar o que o outro está fazendo do meu lado.”

Você sabe, por exemplo, como funciona a coleta de lixo do seu prédio? Será que os outros moradores separam o lixo? Como será o consumo de energia e água deles? O.K., você não pode bisbilhotar e muito menos interferir na vida dos outros, mas pode pelo menos passar a eles a mensagem que você já aprendeu. O mesmo vale para os outros ambientes em que você vive, como a escola, as casas dos seus amigos e parentes, enfim... Aproveite as reuniões de condomínio, os encontros de pais e professores, as visitas de família, etc. para mostrar que todos somos responsáveis pelo mundo em que vivemos. Não precisa virar um “ecochato”, basta passar o seu exemplo para as pessoas nas suas ações. E informe-se sobre questões ambientais, para garantir que, sempre que o assunto surgir, você tenha algo interessante para comentar.

Pronto, agora sim você pode dizer que fez a sua parte. Fora isso, é problema do governo, não acha? Opa, não é bem assim...

anterior | próximo
   
Planeta em perigo: o que eu tenho a ver com isso?
Apenas “fazer a sua parte” não é o bastante
Faça valer a sua voz