texto

Internet e mídias sociais - O universo numa janela


A velocidade com que as redes sociais na Internet conquistaram adeptos é, no mínimo, assustadora. Elas são sites construídos para interação entre pessoas, combinando textos, imagens, sons e vídeos. No Brasil, mais de 80% dos internautas participam de alguma dessas mídias, segundo o instituto de pesquisa Ibope: Orkut, Twitter, MySpace, Youtube, Facebook, Flickr, LinkedIn e tantos outros são usados para a troca de mensagens, compartilhamento de interesses, atualização de perfis. Informação do mundo para o mundo. Bem diferente de alguns anos atrás, quando a comunicação de massa era de um para todos: da TV para o telespectador, do jornal para o leitor, do rádio para o ouvinte.

Crédito:Agência Brasil

Estudos mostram que as gerações Y e Z já consideram o e-mail uma coisa antiquada.

Os números mostram uma verdadeira revolução. Para se ter uma ideia, o rádio levou 38 anos para alcançar 50 milhões de usuários. A TV levou 13. A Internet, quatro anos. O Facebook adicionou 100 milhões de usuários em menos de nove meses. Aliás, se o Facebook fosse um país, seria o terceiro maior do mundo. No microblog Twitter, a cantora Britney Spears já tem mais seguidores do que as populações inteiras da Suécia, de Israel, da Suíça, da Irlanda, da Noruega e do Panamá somadas. O Youtube já é o segundo maior sistema de busca do Planeta, com mais de 100 milhões de vídeos. Tanta força conseguiu o que ninguém achou que seria possível na rede. Esses sites de relacionamento desbancaram a pornografia como a atividade número 1 da Internet.

E os conteúdos crescem à velocidade da luz: estima-se que a quantidade de novas informações geradas no mundo em 2009 é maior do que a acumulada nos últimos 5 mil anos. A atualização acontece por minuto. Estudos mostram que as gerações Y e Z já consideram o e-mail uma coisa antiquada. Quais são essas gerações? Crianças e adolescentes que sabem muito mais de computador do que seus pais, seus avós e até seus professores.