Colégio Dante Alighieri

Casa da Fazenda do Morumbi

Alunos do Colégio Dante Alighieri contam a história da famosa Casa da Fazenda do Morumbi, que já serviu como cenário de grandes produções cinematográficas.

A Casa da Fazenda do Morumbi é uma relíquia do século XIX. Foi construída em 1813 pelo então Regente do Império, Padre Antônio Feijó. Seu terreno foi presente de D. João VI ao grande produtor inglês de chá, John Maxwel Rudge, que se encarregou de transformar a região do Morumbi na primeira fazenda de chá do Brasil. Depois dele, famílias tradicionais habitaram a casa, como a Diederichsen, Muller Carioba, Transmontano, entre outras. O casal Francisco e Maria José de Carvalho Ramos, que viveu ali durante quatro anos, até 1978, foram seus últimos moradores.

Pelo seu significado histórico, a propriedade serviu de cenário para várias produções cinematográficas, como os filmes “Sinhá Moça”, de Tom Payne, rodado em 1952; “A Moreninha” e “Beto Rockfeller”, de Oliver Perroy e “A Nova Primavera”, de Franco Zeffirelli.

Recentemente, a Academia Brasileira de Arte, Cultura e História (ABACH) recebeu outorga dos direitos do uso da Casa da Fazenda do Morumbi como pólo cultural. Com o projeto assinado pela arquiteta Elza Wolthers, a entidade restaurou todo o imóvel, que permaneceu cerca de 20 anos abandonado.

Após ter ficado tanto tempo sem qualquer tipo de reparo, a casa foi encontrada em estágio avançado de deterioração. Segundo o engenheiro responsável pela obra, as infiltrações nas paredes e telhados foram as responsáveis pelo estrago. Contudo, o imóvel foi recuperado porque suas fundações não sofreram grandes danos. Foi escolhida para restauração a técnica com base de concreto, obedecendo ao estilo de sua última reforma, realizada na década de 1940, pelo destacado arquiteto da época, Warchavchick.

Nessa restauração, as madeiras utilizadas no terraço externo e em toda a sustentação do telhado foram especiais, vindas da Bahia e lavradas à mão. As telhas, que estavam deterioradas pelo tempo, foram confeccionadas em Santa Catarina. No acabamento, foi usada uma técnica de revestimento de argila, tudo para aproximar-se o máximo possível da arquitetura original.

O projeto de decoração interna ficou a cargo de Gilberto Pacheco. Com todo o conforto e estruturas atuais, a casa resgata o estilo inglês da época, com poltronas de couro e de tecido e móveis de influências napoleônicas.

   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   

 

 

 

Reportagem e entrevista realizada pelas alunas Daniela Hoshino, Fernanda Puschinick, Maria Laura Costa, Sylvia Damiani e Vivian Cyrne, da 7.ª série I, do Colégio Dante Alighieri.
« voltar