1. Central de Atualidades
  2. Reportagens
  3. Star Wars : o mito das estrelas

Com o lançamento do Episódio II - O Ataque dos Clones, o diretor George Lucas promete retomar o encanto quebrado pelo fracasso de crítica do Episódio I - A ameaça fantasma. Desta vez, garante uma trama mais sombria e adulta e quer também evitar a superexposição que os personagens tiveram durante o lançamento de A Ameaça Fantasma.

George Lucas reconheceu o que apenas os fãs mais radicais da série Guerra nas Estrelas ainda estavam relutando em admitir: o Episódio I - A Ameaça Fantasma é o pior filme da saga. Em um comunicado à fabrica de brinquedos Hasbro (descoberto pela revista americana Newsweek), o diretor disse que o "último filme ficou abaixo das expectativas" e prometeu que O Ataque dos Clones vai ter um "clima mais sombrio, próximo aos filmes da trilogia original, sem personagens bobos ou crianças". Lucas também quer evitar a superexposição que os personagens tiveram durante o lançamento de A Ameaça Fantasma, reduzindo em um terço o número de produtos relacionados ao filme colocados nas lojas. O filme foi considerado "um desastre" sob o ponto de vista do merchandising segundo o produtor, mas teve um faturamento, somando-se os produtos relacionados a ele e a audiência nos cinemas, na casa dos bilhões de dólares.


Cartaz de divulgação de Episódio I - A Ameaça Fantasma.

Quando foi lançado em 1999, o Episódio I teve críticas muito negativas, ficando bem abaixo das expectativas da maioria dos fãs da série. O ser estranho, Jar Jar Binks, tornou-se rapidamente um dos personagens mais odiados na história do cinema.

Outro fator que deve ter influenciado a equipe de Lucas a se esmerar mais nesse segundo filme foi o sucesso de outras franquias cinematográficas, como O Senhor dos Anéis e Harry Potter, que já têm continuações garantidas e seguem na mesma linha, abusando de heróis míticos e de grandiosidade na hora de apresentar efeitos especiais. Mas ao que tudo indica, o cineasta aprendeu a lição. O Ataque dos Clones promete ser mais dramático, dinâmico e intenso do que o primeiro filme (claro, ajudado por muita publicidade). Se isso acontecer, Lucas assume mais uma vez o trono do entretenimento digital, inventado por ele há 25 anos quando o universo mítico de Star Wars chegou às telas.