30 anos de tri


Sonho de Dadá Maravilha quase tira Pelé da final

Dadá Maravilha passou toda a Copa de 70 na reserva. Como último recurso para entrar em campo, ele arriscou um artifício à altura de sua irreverência. Na véspera da grande final, contou ao treinador Zagallo que sonhara ter feito três gols contra a Itália. Para descontrair o clima tenso da concentração, Zagallo brincou com os titulares:

- Olha, gente, o Dadá sonhou que vai fazer três gols na final. Não tem ninguém que queira dar o lugar para ele?

Quem levantou o braço foi justo o camisa 10 da seleção, Pelé.

- Por mim tudo bem, se a gente já começa a final ganhando de 3 x 0...
E todos caíram na gargalhada.


O palpite de Médici e o juiz mais vaiado da história

Horas antes do pontapé inicial, o general Médici foi indagado sobre qual seria seu prognóstico para a partida. Ele disse sem titubear: "Quatro a um para o Brasil." O destino iria confirmar seu palpite. O gol de honra da Itália foi marcado por Bonisegna, aos 37 minutos do primeiro tempo, por causa de um descuido de Clodoaldo. O volante brasileiro não poderia ter encontrado desculpa melhor para justificar sua falha: "Se eu não tivesse feito aquilo, o Médici não teria acertado o placar." Outro que deu uma “mãozinha” a Médici foi o árbitro Rudy Glockner, da Alemanha Oriental. No último minuto do primeiro tempo, Pelé recebeu um cruzamento da esquerda, matou no peito e estufou a rede. O gol foi anulado pelo senhor Glockner, que apitara o final da primeira etapa com a bola no ar. E entrou para a história como um dos juízes mais vaiados de todos os tempos.


Levem as roupas, deixem o bigode

Logo após o apito final, o campo foi completamente tomado por torcedores. Disputava-se a tapas qualquer souvenir do jogo. As principais vítimas eram os jogadores brasileiros, que tinham seus uniformes rasgados pela insandecida torcida mexicana. Pelé foi carregado só de cuecas ao vestiário, antes de subir na tribuna de honra para receber a Taça Jules Rimet. Os jogadores brasileiros também entraram na arruaça. Eles queriam raspar a todo custo a marca registrada de Rivellino, o vasto bigode. O jogador só escapou do trote porque estava de casamento marcado.


Uma TV para cada 100 habitantes, cinco locutores por jogo

Noventa milhões em ação Pra frente Brasil, salve a Seleção De repente é aquela corrente pra frente...

Esse é um trecho da música que anunciava aos brasileiros o início das transmissões da Copa do Mundo de 1970, a primeira a ser transmitida ao vivo para todo o país. Na época, havia 816 mil aparelhos de televisão, o que significava uma média inferior a um aparelho para cada cem habitantes. Na estação da Embratel, em Itaboraí (RJ), as imagens chegavam em cores. Mas poucos brasileiros tiveram o luxo de ver o verde-amarelo de sua seleção. A televisão brasileira ainda engatinhava e para assegurar as transmissões foi preciso um consórcio de cinco emissoras. Os narradores eram obrigados a se revezar durante a locução. Cada um só podia falar menos de 20 minutos ao microfone.





   Veja outros fatos deliciosos daquele 21 de junho de 1970.
 
Sonho de Dadá Maravilha quase tira Pelé da final

O palpite de Médici e
o juiz mais vaiado da história


Levem as roupas, deixem o bigode

Uma TV para cada
100 habitantes, cinco locutores por jogo